10 dicas para quem quer Emigrar - SWISS QUESTIONS
Welcome

10 dicas para quem quer Emigrar

Imigrei com a esposa e o enteado para a Suíça em início de 2018. Participamos de diversos grupos do Facebook com outros brasileiros e estrangeiros que moram nesse país montanhoso. Todos os dias, dezenas de pessoas fazem mais ou menos a mesma pergunta nesses grupos: “Como faço para ir morar na Europa?”.

Muitas vezes essa pergunta se parece com um ataque de nervos ou de pânico que a pessoa está tendo. Um momento de desespero: “como está o trabalho na Suíça?”, “alguém me arranja um emprego na Europa?”, “como faço para me casar com um Europeu?”. Não se diz um “oi”, não se apresentam, não usam vírgulas, pontuação. Ainda por cima, muitas vezes, tratam os membros do grupo como se tivessem a obrigação de dar informação consulares corretas.

São perguntas que implicam em muitos fatores legais e individuais. São perguntas que refletem a vontade de fazer uma mudança que, mesmo bem planejada, será extremamente difícil e sempre será brusca.

Essa pergunta tão importante acaba ficando cercada de comentários improdutivos, errados e deselegantes de outros membros do grupo. Seja pelo descompromisso com a realidade (é apenas um grupo do Facebook), seja por um posicionamento pessoal parcial frente a pergunta, ou por pura ignorância sobre as leis e normas migratórias.

Também, acompanhamos nesses grupos, uma quantidade significativa de pessoas que viajam com a mala e a cuia e, depois de chegarem ao país de destino, tentam organizar as coisas. Claro, a Suíça é um país fechado, viver na clandestinidade não é uma opção. Então, essas pessoas não conseguem reorganizar a vida, ficam um tempo vivendo por baixo dos panos, se vendem para relações de trabalho escravas e prostituição, e depois de anos, conseguem ajustar suas vidas com muita dor e sofrimento (na Suíça, dadas as leis aprovadas em 2017, essa opção não encontra mais possibilidade de regularização).

Nesse blog, tento compartilhar a minha experiência, não tento desanimar ninguém de imigrar, até porque, apesar das dificuldades, estou adorando. Procuro colocar essas experiências de forma clara, realista e, bastante sincera. Compartilho links importantes, matérias de jornais locai (algumas escritas por brasileiros, pesquisadores e jornalistas que residem a muitos anos aqui).

Durante o meu processo de imigração com a família, acumulei uma certa experiência e, mais do que isso, esse conjunto de links oficiais com informações importantes para quem quer imigrar. Ao longo dos meses que venho escrevendo para esse blog, em partes até como resultado dessas publicações, entrei em contato com muita gente que entende muito do assunto, algumas instituições importantes para quem pensa seriamente nesse processo imigração e, mais um monte de links.

Existem nesse processo, alguns conceitos importantíssimos que precisam ser entendidos e claramente aprendidos. Resolvi que esse post será um post do tipo glossário, nele vou colocar tim-tim por tim-tim 10 conceitos que você precisa saber se pretende imigrar para países na Europa.

Uma observação importante, estou, gradativamente, ganhando um pouco de dinheiro com o meu blog. Isso quer dizer que os anúncios feitos pelo Google e pela Amazon me dão um pequeno retorno financeiro. Mas, os links que eu disponibilizo nesse post NÃO são pagos. Ou seja, estou compartilhando os links que tive e tenho como referência para meu próprio uso.

Vamos aos conceitos:

1 – União Européia

https://pt.wikipedia.org/wiki/Uni%C3%A3o_Europeia

Sim, na Wikipedia as informações sobre a União Europeia estão corretas e estão bem claras e organizadas. Mais do que entender a EU, entender a Zona do Euro é fator preponderante para quem quer imigrar para a Europa. Nesse link, você vai encontrar quase tudo o que precisa saber sobre esse tópico.

Agora, em fim de 2019, acordos comerciais entre o Mercosul e a EU estão entrando em vigor, entender esses acordos e as oportunidades que ele traz, pode abrir novas possibilidades para empreendedores latino-americanos na Europa.

2 – EFTA

O EFTA é o grupo de países composto por economias com tratados de livre comércio entre si, independentemente da Zona do Euro e da UE: Liechtenstein, Suíça, Noruega e Islândia. Mas, diferente da Zona do Euro e do acordo da EU, não há uma moeda comum nem controles unilaterais de interesses econômicos, apenas a abstenção dos impostos no comércio entre esses países.

3 – Schengen

Esse é um conceito importantíssimo para quem pensa em emigrar para a Europa. Ele é o acordo continental europeu de livre trânsito e trabalho. São, ao todo, 30 países signatários, sendo que 4 ainda estão nos últimos ajustes de contratos.

Diferente de EU, Zona do Euro ou EFTA, esse acordo interfere na entrada e saída dos concidadãos entre os países signatários. Portanto, não é um acordo comercial, mas uma abertura de fronteiras para livre trânsito dos cidadãos europeus através da Europa.

Para os Brasileiros que viajam para os países desse espaço, o visto de turista é automático e dura 90 dias. Na verdade, 89 dias, porque no 90º é preciso estar saindo. Em geral, uma regra única é utilizada na decisão da autorização de entrada para o turista brasileiro:

– Passagem de volta para um período menor que 90 dias;

– Endereço(s) de estadia – Hotéis, casas de amigos ou parentes;

– Seguro saúde para o período de permanência;

– Se for ficar em casa de parentes e amigos, uma carta convite na língua mãe do país de permanência é fundamental.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Acordo_de_Schengen

Um ponto é importante de ser entendido, se você fica 90 dias em um só país ou se, nesses 90 dias, visita os 30 países, não interessa. No 90º dia é preciso estar saindo do Espaço de Schengen. Depois da saída, é preciso ficar pelo menos mais 91 dias fora da área antes de retornar.

4 – Passaporte

O passaporte é o documento (um pequeno caderno) com foto e dados pessoais que serve para identificar o viajante ao redor do mundo. Nele constam informações que são padronizadas por acordos internacionais e que, são comuns ao redor do globo. No Brasil o órgão emissor é a polícia federal.

É preciso tirar primeiro o passaporte e depois comprar as passagens, pois o passaporte pode demorar para ser emitido. Em geral, sem o número de identificação constante nele é difícil comprar uma passagem internacional.

http://www.pf.gov.br/servicos-pf/passaporte

5 – Dupla cidadania

Descendentes de italianos, suíços, alemães, franceses e outros imigrantes europeus têm por direito de sangue acesso à cidadania do país de origem de seus ancestrais europeus. Isso quer dizer que, com a documentação correta, no período certo, você pode requerer a cidadania de seus avós ou pais.

Assim, você será brasileiro e italiano, tendo o passaporte (caso seja requerido por você) de ambos os países.

Para quem quer emigrar para a Europa é fundamental ter um passaporte da Área de Schengen. Assim, se possível, requerer a cidadania do país de origem de seus ancestrais pode ser o primeiro passo nesse processo.

Para quem busca suas raízes suíças, o caminho, novamente é o consulado suíço. Lá, muitas informações (principalmente sobre o direito à cidadania) podem ser encontradas direto no site.

https://www.eda.admin.ch/countries/brazil/pt/home/prestacao/citizenship.html

6 – Visto

Muito mais claro do que eu explicar, dar uma boa lida no Wikipedia pode esclarecer as diversas formas de receber um visto para o país de destino. Novamente, nesse caso, a explicação do site está fidedigna e bem clara: https://pt.wikipedia.org/wiki/Visto

Para quem tem interesse em vir para a Suíça, foco do meu blog, o link do consulado suíço em São Paulo é esse: https://www.eda.admin.ch/countries/brazil/pt/home/vistos/entry-ch.html

Mas, já te adianto, sem passaporte da Área de Schengen é praticamente impossível conseguir um visto suíço (praticamente é diferente de totalmente). Eles têm recusado vistos de permanência, trabalho e estudo para pessoas dos continentes americano, africano e asiático. Reservando as vagas de trabalho e estudo para os naturais da área de Schengen.

7 – Casamento

O casamento é uma forma de conseguir um visto de permanência para a Europa. Cônjuges de europeus que residem na Europa têm visto de permanência garantido. Mas, é preciso informar as autoridades locais e seguir os tramites legais para que isso ocorra.

Também, sugiro que se case por amor e não por passaportes.

Mas, ouvi relatos de vendas de casamentos por valores significativos. Não adianta me perguntar, não conheci ninguém que tivesse feito isso, só ouvi histórias. Mesmo assim, na própria escritório da imigração no Cantão de Sankt Gallen, ouvi da funcionária que, a “única forma de um brasileiro morar aqui, é casando com uma suíça”.

Disponibilizo aqui, o link para quem vai casar com um Suíço(a): https://www.eda.admin.ch/countries/brazil/pt/home/prestacao/estado.html

8 – Emprego

A Europa recebeu milhões de refugiados do norte da África e oriente-médio nos últimos 10 anos. Muitos desses refugiados moram em situação de desabrigos nas ruas das grandes cidades, em abrigos sociais e em barracas arranjadas pelos estados que os acolheram. Na Suíça, a situação de refúgio tem características específicas e, pela diminuta área do país, são poucos os refugiados se compararmos com os países vizinhos.

Mas, na Alemanha, França, Itália, Portugal (que tem recebido uma quantidade enorme de imigrantes brasileiros) a empregabilidade não foi muito alterada. Pelas características da economia da EU, o desemprego tem tido uma taxa altíssima, chegando em alguns momentos a 25% da população economicamente ativa. Mas, se você fala a língua nativa, está legalmente residindo no país, está disposto a trabalhos braçais e pesados, o trabalho existe.

O link que eu compartilho a seguir refere-se a vagas na Suíça. Mas, partindo deste site, você consegue encontrar seus parceiros em outros países da Europa. Em posts anteriores, para quem está interessado especificamente na Suíça, trago informação detalhadas e vários links importantes sobre esse assunto.

https://www.jobs.ch

9 – Moradia

A moradia é o maior problema da Europa. Um continente urbanizado há muito tempo, são poucas as construções novas e muitas, muitas são as construções antigas. Por aqui, casas compartilhadas (cada um aluga um quarto) são, muitas vezes, a única solução.

Em Zurich, um quarto pequeno sem banheiro, em um apartamento compartilhado chega a custar CHF1000,00 por mês. Nas grandes cidades da Alemanha, dentro da Zona do Euro, os valores são mais baixos, mas em relação à renda mensal, igualmente caros EU500,00 por mês.

Morando na Suíça há 1 ano e 10 meses, nos mudamos para cá usando o site disponibilizado a seguir. Usamos esse site para minha mãe, quando ela se mudou. Muitas vezes, as imobiliárias não respondem quando veem que seus dados de contato são de fora da Europa. Mas, com um pouco de persistência, é possível achar o que você procura.

O link se refere a região da Suíça, mas o próprio site oferece buscas em outros países da Europa.

https://www.homegate.ch/en

 10 – Migração, emigração e emigração

Não diga bobagens e não faça perguntas erradas. Compartilho aqui, um link que pode te orientar muito e te ajudar a entender a nova situação de vida que você está querendo criar.

Saber a diferença entre os termos MIGRAÇÃO, EMIGRAÇÃO e IMIGRANÇÃO, é como saber a diferença entre almoço, café da manhã e janta.

https://www.diferenca.com/migracao-imigracao-e-emigracao

Espero que esse post te ajude a achar os caminhos das pedras na sua jornada!!

Raul de Freitas Buchi

Leave a Reply

%d bloggers like this: